Um amigo no seu caminho

Notícias
Entrevista com João Fernandes, Vice-Presidente, do CASA – Centro de Apoio ao Sem Abrigo

2018-02-07

Na rua a servir refeições quentes, 365 dias por ano.

Em entrevista com João Fernandes, a Alves Bandeira dá a conhecer a mais um público quem é o CASA, qual a sua missão e como trabalha em prol dos mais carenciados.

AB. O CASA – Centro de Apoio ao Sem Abrigo – existe há mais de 15 anos sendo que tem como principal objetivo ajudar quem mais precisa. Qual a sua verdadeira missão, áreas de atuação e principais atividades?

JF.O CASA tem como missão apoiar todos os que estão em situação de sem abrigo ou que fazem parte de famílias carenciadas, disponibilizando bens alimentares, artigos de vestuário e serviços de reintegração social, independentemente do estrato social, etnia, religião ou género.

AB. O CASA é hoje um projeto completamente nacional com mais de 10 delegações. Qual o papel de uma delegação? Existe a perspetiva de criar novas delegações? Se sim, onde?

JF. As Delegações foram a entidade jurídica que melhor se enquadra nas IPSS em geral, e no CASA em particular. Na realidade, o importante são os voluntários que compõem as delegações. Estas são criadas quando um grupo de pessoas, alinhado com a filosofia do CASA que acabo de mencionar, identifica certas necessidades de determinado tipo de pessoas e pede a intervenção do CASA. Neste processo, são avaliadas as condições para se criar ou não uma delegação. Por estes motivos e forma de atuar, a criação ou eliminação de delegações, depende em muito de um balanço sensível entre pessoas com necessidades, voluntários e mecenas que ajudem esta causa. 

AB. Hoje o CASA tem mais de 1.400 voluntários de norte a sul e ilhas. Um número extraordinário. Qual a chave do sucesso numa sociedade com cada vez menos tempo para o outro.

JF. Creio que a forma transparente, livre de preconceitos e juízos sobre a pessoa leva a que a missão se concentre no ato de ajudar quem de facto precisa. Isto leva a que tenhamos uma base sólida de voluntários e de mecenas que nos continuam a apoiar.

AB. Quais são as formas de ajudar a Associação?

JF. A melhor forma é aquela que a pessoa se sente confortável, ou seja, o tipo de ajuda que o voluntário se sente bem e que menos interfira no seu dia-a-dia. Para uns pode ser com voluntariado na recolha de alimentos e nos armazéns, outros na distribuição e, ainda há quem preferia doar bens e valores monetários por não terem disponibilidade de tempo. No fundo, se a pessoa de facto deseja ajudar, existem várias formas de o fazer.

AB.Quantas pessoas são hoje acompanhadas pelo CASA e quais os principais desafios?

JF. O CASA apoia mais de 8400 pessoas, distribuídas em população em situação de sem abrigo, sensivelmente 1600, às quais se adicionam quase 7.000 pessoas enquadradas em famílias carênciadas. O maior desafio é o equilíbrio que referi, por vezes identificamos pessoas em necessidades mas não temos voluntários e, por vezes, temos voluntários mas faltam apoios. Nestas situações, os nossos voluntários são inexcedíveis, como por exemplo em Coimbra, onde compram comida com os seus próprios fundos e cozinham nas suas próprias cozinhas. Uma situação que, com o apoio de mecenas como a Alves Bandeira, esperamos vir a superar.

AB. Esta parceria da Alves Bandeira com o CASA veio para ficar, estando previstas novas ações ao longo deste ano. Como avalia os resultados alcançados nestas duas primeiras campanhas?

JF. Este tipo de parcerias são de facto vitais para o CASA, aproveito para agradecer à Alves Bandeira, e a toda a sua estrutura e colaboradores, o apoio que nos dão pois os resultados são muito positivos e vão muito além de um simples donativo. As duas primeiras campanhas foram um sucesso e permitiram apoiar as populações ao nível de mantas e refeições diretas, contribuindo para uma melhoria significativa na qualidade de vida das mesmas.

AB. Qual o repto que gostaria de deixar?

JF. Gostaria de deixar dois apelos a todos os que desejarem ajudar. Em primeiro que venham conhecer o CASA (ou outra instituição) antes de ajudar. É importante ajudar com a certeza de que a ajuda vai de facto para quem precisa dela, sejam populações em situação de sem abrigo ou outras. Em segundo, é que ajudem da forma que se sentirem melhor, seja em bens alimentares, tempo ou valores monetários. Só assim poderão ajudar de forma sincera e com maior impacto. No nosso site é possível encontrar uma área destinada a quem deseja ajudar estas pessoas que o CASA apoia. A todos um obrigado pelo incrível apoio!

 

https://casa-apoioaosemabrigo.org